Grupo Olimpiense se destaca pela criatividade e marca presença na cena do Trap

Através do grupo musical de trap CoNiG Mob, formado por cinco integrantes, Heltin, Felipe, Wenry, Weber e Carlos, Olímpia entra na cena do trap!

Os jovens Olimpienses utilizaram locais conhecidos da cidade para gravar o clipe, e no dia 14 de outubro, lançaram a música “No Topo”, surpreendendo pelo número de visualizações obtidas em poucas horas.

Hoje com menos de duas semanas após o lançamento, o clipe já foi visualizada mais de 5 mil vezes no Youtube, e quase mil compartilhamentos no Facebook. Sobre o futuro promissor e a forte repercussão do clipe o grupo destaca “sempre foi Deus, nunca foi sorte!”

Não resta dúvida que esse grupo ainda vai nos surpreender muito, desejamos todo sucesso a eles.

Matéria: André Costa.

Confira o Clipe

Você sabe o que é Trap Music?

À primeira vista, o nome trap music parece estranho. Traduzindo do inglês, o termo significa “armadilha da música”. O estilo, porém, é bem conhecido, principalmente entre os jovens de 15 a 25 anos que, provavelmente, até já se pegaram dançando loucamente o ritmo e, pior, gravando isso em vídeo.

A trap music ganhou fama em 2012, quando surgiu o clip Harlem Shake, música do DJ Bauuer, que no início lembra um flash mob. Fantasiadas ou não, as pessoas aparecem dançando aleatoriamente, cada qual com um jeito próprio. De repente, bum: todos pulando em todos os cantos, amalucadamente. Desde então, milhares de vídeos de paródias começaram a circular na internet.

O ritmo envolvente que surgiu na década de 1990, nos Estados Unidos, mistura três estilos musicais: a batida do rap, música eletrônica e barulhos repetitivos. Produzido com metais, triângulo, onomatopeias, instrumentos de corda e sopro, provoca a sensação de falta de harmonia e, portanto, gera uma melodia mais agressiva.

Como a palavra trap é, na verdade, uma gíria americana utilizada para designar locais perigosos, principalmente, no sul dos Estados Unidos, onde o gênero surgiu, as danças têm por objetivo ressaltar temas que são pouco abordados pela mídia por serem considerados polêmicos, como criminalidade, política, discriminação racial, religião, vida e morte.

Atualmente, o hip hop eletrônico sem vocal, maneira também utilizada para descrever o estilo, figura nas principais baladas do País. Tendo em vista tamanha repercussão, alguns artistas, como Justin Timberlake e Rihanna, começaram a incorporar traços da trap music em suas produções, fazendo com que o gênero se expandisse e ganhasse qualidade e destaque.

Fonte: Dialoog Comunicação

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Publicidade

Verifique sua conexão com a internet