Justiça nega liminar para hotel continuar funcionando em Olímpia

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

A Juíza da 3ª Vara Cível de Olímpia, Maria Heloisa Soares, negou o Mandado de Segurança com pedido liminar de um hotel da cidade para “descaracterizar a atividade de hotelaria, no tocante à locação de quartos certos, tempestivamente”, do decreto municipal que impede o funcionamento do setor hoteleiro no município de Olímpia.

Dentre as alegações do processo, o Hotel “requer a reabertura do hotel por ser atividade essencial, tal qual Decreto Estadual nº 64.881, de 22 de março de 2020, em especial pela localização estratégica, a permitir alojamento de familiares de vítimas, médicos e agentes do governo, se o caso.”

Na decisão que negou o a liminar, a juíza destacou que “passamos por uma período de extrema exceção, com uma crise humanitária e econômica mundial, sem precedentes e parâmetros, diante da pandemia causada por um vírus que se propaga pelo contágio e contato humano, razão pela qual alguns direitos individuais não podem se sobrepor ao coletivo, portanto, ab initio, não se pode caracterizar o Decreto Municipal de Olímpia como ilegal”

A juíza citou ainda o grande fluxo de turistas que buscam a cidade anualmente, bem como o grande número de leitos existentes na cidade.

“Partindo dessa premissa, impõe-se observar que a Estância Turística de Olímpia, de renome Nacional, possui mais de 20.000 mil leitos em sua rede hoteleira, bem como recebe anualmente mais de 2 milhões de turistas(https://www.olimpia.sp.gov.br/), razão suficiente para limitação de circulação temporária, sem que o Judiciário possa nesta fase estabelecer o que se mostra essencial para cada qual das situações individuais.

Sobre a possibilidade de exceção da atividade em relação a um contrato específico, não tendo relação direta com o turismo, a juíza disse que “se o contrato descaracteriza o turismo (fls.29/32), por certo poderá ser questionado à própria municipalidade, para fins de exceção ao decreto em lide, o que não vê dos autos, por conseguinte, inexiste nesta esfera o atoabusivo”.

A prefeitura poderá se manifestar no prazo de 10 dias para prestar informações que achar necessário.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Hotel de Olímpia, hotel pede para reabrir, Hotel quer funcionar, pedido de liminar

Publicidade

Acompanhe as últimas informações oficiais de Olímpia sobre o coronavírus