Moro anuncia exoneração e acusa Bolsonaro de interferência política na Polícia Federal

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

O ministro da Justiça, Sergio Moro, entregou o cargo nesta sexta-feira (24) e deixou o governo após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, ter sido publicada nesta madrugada no Diário Oficial da União.

Durante a coletiva, o ex-juiz e ex-ministro destacou que havia uma promessa de Bolsonaro concedendo “carta branca” para comandar a PF, e que essa autonomia começou a não ser respeitada pelo presidente. Moro disse ainda que alertou Bolsonaro de que isso não era bom para a instituição e para o próprio governo, mas que o presidente insistiu, tornando sua permanência insustentável a frente do ministério.

“Não é questão do nome, existe outros bons nomes pra assumir o cargo de diretor da polícia federal, (…) o grande problema de realizar essa troca é que , primeiro haveria uma violação de uma uma promessa que me foi foi feita inicialmente, que eu teria carta-branca, em segundo lugar não haveria uma causa para essa substituição, e estaria claro que estaria havendo ali uma interferência política na polícia federal, o que gera um abalo da credibilidade, não minha, mas minha também,  mas também do governo, desse compromisso maior que nós temos que ter com a lei.”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
juiz moro, Moro, Sérgio Moro

Publicidade

Acompanhe as últimas informações oficiais de Olímpia sobre o coronavírus